Resolvi escolher a obstreta como faço geralmente, pela internet. Minha irmã que não acredita muito nisso pediu para avaliar bem por que da última vez havia trazido para casa um cãozinho sem um testículo e doente. Mas, que hoje é a alegria da casa, firme e forte.

Achei a Dra Tânia depois de vasculhar cada link. Consulta feita, mãe satisfeita, terminada a saga! Agora era hora de pensar em outras coisas: nome, roupas novas (afinal 2 meses se passaram).

boy-girl

Maria Luisa era o único nome que tinhamos conversado muito tempo atrás enquanto escutávamos a música do Tom Jobim. Theo seria a opção masculina que ainda tinha dúvidas. Achava que era homem, mas todo mundo falava que era menina, tanto que começei a acreditar e deixei o nome de menino para segundo plano.

Para minha sorte Malu venceu o páreo!